Lampião e Maria Bonita - Amor de Cangaceiros


 Lampião  foi o mais famoso líder  e herói dos bandidos do Cangaço. Maria Bonita foi a primeira mulher a participar de um grupo de cangaceiros.

  Em 7 de junho de 1897 ou 4 de junho de 1898 nasceu  em Serra Talhada
"Capitão" Virgulino Ferreira da  Silva, mais conhecido como Lampião , que foi lhe dado devido ter facilidade em manejar o rifle, "que, de tanto atirar, mais parecia um candeeiro aceso nas escuras noites da caatinga”.
O Cangaceiro (1953) é um filme brasileiro  escrito e dirigido por Lima Barreto, com diálogos criados por Rachel de Queiroz.
O Cangaceiro ganhou o prêmio de melhor filme de aventura e de melhor trilha sonora no Festival Internacional de Cannes. A música Mulher Rendeira é interpretada pela também atriz Vanja Orico acompanhada pelo coro dos Demônios da Garoa. O filme foi levdo para mais de 80 países e ele foi vendido para a Columbia Pictures. Só na França, ficou em cartaz por cinco anos.

Lampião e Maria Bonita -  minissérie Rede Globo (1982)

Em  8 de março de 1911 nasceu Maria Gomes de Oliveira, mais conhecida como  Maria Bonita, no povoado Malhada da Caiçara, que se localiza no município Paulo Afonso, na época município Glória, na Bahia.
Até os 21 anos de idade trabalhou como artesão. Era alfabetizado e usava óculos para leitura, características bastante incomuns para a região sertaneja e pobre onde ele morava. 


Em 1919 o seu pai foi morto em confronto com a polícia,  por causa  de uma disputa com outras famílias locais, geralmente por limites de terras. Virgulino jurou vingança, e junto de mais dois irmãos, passou a integrar o grupo do cangaceiro Sinhô Pereira.
Em 1922, Lampião tornou-se líder do bando até então comandado por Sinhô Pereira em Pernambuco. No mesmo ano matou o informante que entregou seu pai à polícia, e realizou o maior assalto da história do cangaço àquela altura, contra a Baronesa de Água Branca em Alagoas.
 Em Dezembro de 1930, Lampião conheceu Maria Bonita, casada com o sapateiro Zé de Neném. Ela fugiu com ele deixando uma carta para o ex-marido.

Lampião o Rei do Cangaço (1964)
Em 24 de maio de 1931 - Combate em Tanque do Touro entre o bando de Lampião e o tenente Arsênio. Nesse combate, a cangaceira Dadá, esposa de Corisco, tem um filho que nasce em pleno tiroteio. A criança, de nome Josafá, morreu dois meses depois.
28 de julho de 1931 - O Governo da Bahia contrata a Força de Nazaré, comandada pelo tenente Manoel de Souza Neto, para combater o Lampião naquele estado.
Em 6 de setembro de 1931 - Combate na fazenda Aroeiras, em Glória - BA entre Lampião e a força volante do tenente Manoel Neto, com 15 soldados. Neste combate acontece episódio épico em um riacho onde Manoel Neto e o famoso cangaceiro Corisco ficam frente a frente, tendo o cangaceiro fugido em disparada. 

O Cangaceiro Trapalhão  (1983) é um filme brasileiro do grupo de comediantes brasileiros Os Trapalhões e inspirado na história do lampião.
Em 5 de janeiro de 1932 - Lampião invade a cidade de Canindé - SE. Nesta cidade, violenta várias moças e saqueia o comércio local.
Em 8 de janeiro de 1932 - Lampião encontra-se com 32 cangaceiros na fazenda Maranduba, em Poço Redondo - SE. A força do tenente Manoel Neto, com 100 soldados, vai em perseguição, travando grande combate. Foi o maior combate de Lampião na Bahia. A força recuou com 6 soldados mortos e 12 feridos. Os cangaceiros perderam 3 homens e um outro que de tão ferido Lampião matou.


Em 20 de janeiro de 1932 - Lampião invade a cidade de Olindina - BA.
Em 22 de abril de 1932 - Lampião trava combate na fazenda Caldeirão contra força do tenente Abdon Menezes e Manoel Neto.
Em 11 de agosto de 1932 - Combate entre o bando de Lampião e o tenente Ladislau na fazenda Cajazeira, em Cipó - BA.
Em 13 de setembro de 1932 - Nasceu Expedita Ferreira Nunes, filha de Lampião e Maria Bonita em Porto da Folha - SE.
Em 23 de outubro de 1937 - Um subgrupo de Lampião, comandado por Corisco e Gato ataca violentamente a cidade de Piranhas - AL. O intuito era resgatar a cangaceira Inacinha, companheira de Gato.
No dia 27 de julho de 1938, o bando acampou na fazenda Angicos, situada no sertão de Sergipe, esconderijo tido por Lampião como o de maior segurança. Era noite, chovia muito e todos dormiam em suas barracas.
No dia 28 de julho de 1938, a volante chegou tão silenciosamente que nem os cães perceberam. Por volta das 5:00h , os cangaceiros levantaram para rezar o ofício e se preparavam para tomar café; quando um cangaceiro deu o alarme, já era tarde demais.
Não se sabe ao certo quem os traiu. Entretanto, naquele lugar mais seguro, o bando foi pego totalmente desprevenido. Quando os policiais do Tenente João Bezerra e do Sargento Aniceto Rodrigues da Silva abriram fogo com metralhadoras portáteis, os cangaceiros não puderam empreender qualquer tentativa viável de defesa.
O ataque durou cerca de vinte minutos e poucos conseguiram escapar ao cerco e à morte. Dos trinta e quatro cangaceiros presentes, onze morreram ali mesmo. 
Lampião foi um dos primeiros a morrer. Logo em seguida, Maria Bonita ficou gravemente ferida. Alguns cangaceiros, transtornados pela morte inesperada do seu líder, conseguiram escapar. Bastante eufóricos com a vitória, os policiais apreenderam os bens e mutilaram os mortos. Aprenderam todo o dinheiro, o ouro e as joias.
A força volante, de maneira bastante desumana para os dias de hoje, mas seguindo o costume da época, decepou a cabeça de Lampião. Maria Bonita ainda estava viva, apesar de bastante ferida, quando foi degolada. O mesmo ocorreu com Quinta-Feira, Mergulhão (os dois também tiveram suas cabeças arrancadas em vida), Luís Pedro, Elétrico, Enedina, Moeda, Alecrim, Colchete  e Macela. Um dos policiais, demonstrando ódio a Lampião, desferiu um golpe de coronha de fuzil na sua cabeça, deformando-a.
Este detalhe contribuiu para difundir a lenda de que Lampião não havia sido morto e escapara da emboscada, tal foi a modificação causada na fisionomia do cangaceiro. "Feito isso, salgaram os seus troféus de vitória e colocaram em latas de querosene, contendo aguardente e cal." Os corpos mutilados e ensanguentados foram deixados a céu aberto, atraindo urubus. Para evitar a disseminação de doenças, dias depois foi colocada creolina sobre os corpos. Como alguns urubus morreram intoxicados pela creolina, este fato ajudou a difundir a crença de que eles haviam sido envenenados antes do ataque, com alimentos entregues pelo coiteiro traidor.

O Baile Perfumado é um filme brasileiro de 1996, do gênero drama, com direção conjunta de Lírio Ferreira e Paulo Caldas.
 Conta a saga real do libanês Benjamin Abrahão, mascate responsável pelas únicas imagens de Virgulino Ferreira, o Lampião, quando vivia no sertão brasileiro. Amigo íntimo de Padre Cícero, Benjamim mascateava pelo sertão e exercitou seu espírito mercantilista convivendo intimamente com o bando de Lampião. Infiltrou-se no grupo para colher imagens e vender os registros do famoso criminoso pelo mundo afora.

O Verdadeiro Bando do Lampião  (1934) filme feito por Benjamin Abrahão

Em 2006 a Prefeitura de Paulo Afonso restaurou a casa de infância de Maria Bonita, instalando o Museu Casa de Maria Bonita no local.



Corisco & Dadá é um filme brasileiro de 1996, do gênero drama, roteirizado e dirigido por Rosemberg Cariry. Elenco
Chico Díaz .... Corisco. Dira Paes .... Dadá
O filme conta a história de Corisco, cangaceiro conhecido como "Diabo Loiro", e sua mulher, Dadá, que aos 12 anos é raptada e estuprada por ele. Com o tempo, ela se integra ao bando, que tenta se livrar das emboscadas armadas por Zé Rufino, chefe da polícia volante que pôs a prêmio a cabeça do cangaceiro.

Volta Seca canta a versão original do Mulher Rendeira (1957)
Mulher Rendeira é um antigo tema popular, muito cantado nos sertões nordestinos ao tempo de Lampião, e cuja origem é controversa. Segundo a versão mais conhecida do Pe. Frederico Bezerra Maciel, regionalista pernambucano e biógrafo de Lampião, o mesmo teria escrito os versos da versão original da música.

                                           versão Elba Ramalho
 A ele se acrescenta Câmara Cascudo, segundo o qual Lampião teria feito escrito a letra em homenagem ao aniversário de sua avó Maria Jacosa Vieira Lopes ("Tia Jacosa") em 15 de setembro, que era uma rendeira.

                                          Mulher Rendeira  Joan Baez
Compôs a música entre setembro de 1921 e fevereiro de 1922, quando apresentou a música em Floresta (Pernambuco).
A versão Peruana - Juaneco y su Combo: "Mujer Hilandera"
A música tornou-se praticamente um hino de guerra dos cangaceiros do bando de Lampião, tendo inclusive relatos de que o seu ataque a Mossoró em 1927 teria sido feito com mais de 50 cangaceiros cantando "Mulher Rendeira".
No total, são mais de 120 versões da canção em 7 línguas, e 14 países. Muitas não são traduções exatas mas mudam a letra mantendo a sonoridade.


Musicas populares sobre Lampião e Maria Bonita

A Pisada - Luiz Gonzaga  contando a historia de Lampião


                                       The Bandit - The Shadows

Acorda Maria Bonita - Ary Cordovan

                                            Forro de Maria Bonita e Lampião

                                 Lampião e Maria - Banda cor do Sol

                Mulher Nova Bonita e Carinhosa - Amelinha

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Finalmente Encontrei o Amor da Minha Vida

Amor Pra Vida

Almas Gêmeas na História